Dia 18 de março de 2018

“RESTAURANDO A IMAGEM ATÉ A RESTAURAÇÃO DE TODAS AS COISAS”
(Pr. Joversi Ferreira)

    Colossenses 3.10, “e se revestiram do novo, o qual está sendo renovado em conhecimento, à imagem do seu Criador.”.

    Em toda a caminhada cristã, vamos nos confrontar com o paradoxo do “já, mas ainda não”. Somos declarados santos, mas estamos em santificação e seremos completamente santificados. Paradoxo. Temos a Vida Eterna, mas ainda a receberemos em sua plenitude. Paradoxo. Somos novas criaturas, mas ainda não se revelou completamente o que seremos. Paradoxo.
No texto de Colossenses, temos mais um. Fomos feitos à imagem do nosso Criador, mas ela foi deturpada pelo nosso pecado. Assim, somos desafiados a nos revestirmos “do novo” para refletir novamente o nosso Criador.
A imagem de Deus, o Imago Dei, está em nosso intelecto, nossa criatividade, nossas faculdades mentais, nossa capacidade de nos relacionarmos com Deus. Todas coisas que os animais não possuem. Mas, ela está também em um caráter e personalidade que nos fazia “a cara do Pai”. Fazia. Tempo passado. A Queda mudou e desfigurou esta imagem. O homem acabou com um caráter feio e tenebroso, propenso ao mal e ao egoísmo. Destituído da Glória de Deus (Rm 3.23).
    Todos os Filhos de Deus, todos os Eleitos, um dia experimentarão uma restauração perfeita. Mas, não somos chamados para nos acomodarmos e vivermos de qualquer forma apenas porque sabemos deste fato futuro. Antes, somos desafiados a crescer em santidade, separando-nos da da imagem corrompida e nos aproximando da imagem de Cristo. E há várias razões para isso.

    1ª) SANTIDADE É UMA ORDEM (1 Pe 1.15-16): o que nos foi dito é “Sejam santos” (imperativo de ordem) e não, “Se possível, sejam santos” (imperativo de possibilidade). Ser santo é imitar ao nosso Deus (“como é santo aquele que os chamou sejam santos vocês também em tudo o que fizerem”).

    2ª) SANTIDADE É UMA PREGAÇÃO (At 2.46-47): viver de maneira santa é o sal que provoca sede nos incrédulos. É o contraste que chama a atenção e os atrai para conhecer as razões de tais diferenças. Claro que as palavras claras que expliquem o Evangelho são indispensáveis, mas uma vida de santidade pode muito bem ser a chave para abrir os ouvidos das pessoas.

    3ª) SANTIDADE DÁ GLÓRIAS A DEUS (Mt 5.14-16): um viver que contrasta com a vida de pecado reflete a pessoa de Deus e O glorifica. As pessoas também “darão glórias ao seu pai que está nos céus”.

    4ª) SANTIDADE PRODUZ PAZ NA VIDA: muitos textos bíblicos deixam claro que uma vida de santidade, sabedoria, piedade e temor a Deus tem uma “redoma de proteção” ao seu redor. Porque muitos dos problemas que passamos são autoinfligidos, isto é, nós os provocamos sobre nós mesmos. Não estamos sendo perseguidos, nem atacados. É o proverbial “tiro no pé” que provocamos sobre nós mesmos. Outrossim, uma vida que se afasta do mal e do pecado, da perversão e da maldade, se manterá livre de muito daquilo que chamamos de “problemas”.

    Assim, quando falamos de restauração da Imagem de Deus em nós, estamos falando de antecipar a eternidade, por assim dizer, inclusive, experimentando muitos dos benefícios que nos aguardam do outro lado da Eternidade, quando a obra estará terminada.
 

© 2018 por Comunidade Batista Videira

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon