Dia 25 de setembro de 2016

“PORQUE AS "VIRGENS" EM MATEUS 25.1-13 NÃO SÃO A IGREJA.”


     1.) A Igreja é chamada de Noiva, não de "virgem". As virgens no casamento judaico eram o equivalente às madrinhas do casamento moderno. Eram as amigas da Noiva.
    2.) A Igreja não tem como não ter o E. S., uma vez que foi batizada neste Espírito (1 Co 12.13) e quem não o tem, não é de Cristo (Rm 8.9).
    3.) O Arrebatamento é para toda a Igreja, não apenas para uma parte dela. Bem como, a salvação é para toda a igreja, não apenas uma parte dela.
    4.) De forma diferente, a salvação prometida no final dos tempos não é para todo judeu, nem tão pouco toda a nação de Israel; mas, para um remanescente (Rm 9.27). No caso do texto, as cinco virgens prudentes.
    5.) O contexto todo de Mateus 24 e 25 é judaico. Jesus está advertindo a Israel sobre o julgamento e quanto aos últimos dias.

 

Comentário do texto:
O julgamento futuro sobre Israel (25:1-30)
25: 1-13. Quando Cristo voltar em glória, mais separações irão ocorrer, como indicado pela parábola das 10 virgens. Enquanto várias interpretações foram dadas a esta parábola, parece melhor compreendê-la como um juízo sobre os judeus vivendo logo após a volta do Senhor em glória. O contexto aponta claramente para esse evento (24. 3, 14, 27, 30, 39, 44, 51). O julgamento dos gentios (ovelhas e cabras)  ocorrerá quando o Senhor voltar (25, 31-46). Também no Seu retorno glorioso, Israel será julgado como uma nação (Ezequiel 20.33-44; Zc 13.1). 
    Israel, portanto, é retratado como 10 virgens que aguardam o retorno do noivo. Nos costumes do casamento nos dias de Jesus, o noivo voltava da casa da noiva em uma procissão em direção à sua própria casa, onde um banquete de casamento seria apreciado. Na parábola de Jesus, Ele como o Rei retornará do céu com sua noiva, a igreja, a fim de entrar para o Milênio. Os judeus na Tribulação serão alguns dos convidados privilegiados de participar da festa. 
     Mas a preparação é necessária. Na parábola, cinco das virgens tinham feito uma preparação adequada pois elas possuíam as lâmpadas necessárias e óleo extra em frascos (Mt 25.4). Cinco outras tinham lâmpadas, mas sem óleo extra. À meia-noite ... o noivo chegou. As lâmpadas das cinco virgens sem azeite extra foram se apagando. Então elas tiveram que ir à procura de óleo e perderam a chegada do noivo. Quando eles voltaram e encontraram a festa de casamento em andamento, elas procuraram a admissão, mas foram negadas (vv. 10-12). 
    Israel na Tribulação vai saber que a vinda de Jesus está próxima, mas nem todos vão estar preparados espiritualmente para ele. Sua vinda será repentina, quando não se espera (24:27, 39, 50). Embora esta passagem não especificamente interpretar o significado do óleo, muitos analistas vêem como representando o Espírito Santo e Sua obra na salvação. A salvação é mais do que mera profissão pois envolve a regeneração pelo Espírito Santo. Aqueles que apenas professam ser salvos, e na verdade não possuem o Espírito, serão excluídos do banquete, ou seja, do reino. Aqueles que deixam de estar prontos quando o Rei vem, não podem entrar no Seu reino. Desde o dia e a hora de seu retorno são desconhecidos, os crentes na tribulação deve vigiar (grēgoreite), ou seja, estar alerta e preparado (cf. 24:42).


Barbieri, R. L., & Jr. (1985). Matthew. Em JF Walvoord & Zuck RB (Eds.), Comentário do Conhecimento Bíblico: Uma Exposição das Escrituras (JF Walvoord & Zuck RB, ed.) (Mt 25,1-13). Wheaton, IL: Victor Books

© 2018 por Comunidade Batista Videira

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon